Alien + #Literatura nas Telas - Alien: Covenant

Autor: Alan Dean Foster
Titulo Original: Alien
Tradução: Henrique Guerra
Editora: Aleph
Páginas: 328
Onde Encontrar: AmazonBR | Livraria Cultura | Livraria Saraiva

Sinopse: A tripulação da nave Nostromo é despertada antes do tempo de seu sono criogênico. Misteriosos sinais vindos dos confins do espaço são recebidos pelo computador de bordo, e a equipe é acionada para investigar um planeta desconhecido. Um tripulante é atacado por uma forma de vida estranha, e esse pode ser o início de uma história pior que os mais terríveis pesadelos da humanidade.

Vamos desenterrar um clássico? Vamos.
Desde criança conheço Alien. Os filmes de Ridley Scott, que estreou a franquia em 1979, conquistaram o público pela inovação e por trazer um universo de ficção científica mesclado ao horror e ao desconhecido. O primeiro filme foi um marco da ficção científica, gerou sequências, os filmes de Predador e em 2012, pelas mãos do mesmo diretor, uma prequel (uma história que antecede a original), intitulada Prometeus. Agora, dia 10 de Maio estreou o mais novo filme da franquia: Alien - The Covenant. Vou abordar um pouco do livro escrito no mesmo ano do filme por Alan Dean Foster e publicado pela Editora Aleph e posteriormente o novo filme, que acompanhei na estreia.

O livro têm início em uma Terra futura, onde a tecnologia já é muito mais desenvolvida pela humanidade e o inevitável finalmente aconteceu: o fim do petróleo. Tendo desenvolvido a tecnologia espacial e viagens interplanetárias, nós, os humanos, começamos a explorar o petróleo em outros planetas, e assim naves são enviadas, tripuladas com pessoas em estado de hiper sono, para planetas distantes em busca do ouro negro. E é no espaço que as coisas começam a ficar complicadas para uma destas naves, a Nostromo.



É a última missão dos sete tripulantes - Ripley, Dallas, Parker, Ash, Kane, Bett e Lambert. Antes de completarem essa última missão, sua nave contará com um novo passageiro, seu oitavo, que será tão letal quanto o vazio do espaço. O que os personagens devem fazer para sobreviver, fica por conta do mistério, afinal, o oitavo passageiro tem seus próprios objetivos.

“(...) Foi a curiosidade que levou a humanidade de sair de seu mundo isolado e sem importância e atravessar o abismo interestelar. Mas também se lembrou do ditado: “A curiosidade matou o gato”. Tomou a decisão lógica”
Além da ficção científica, é um livro de mistério e suspense. É interessante como o autor desenvolve os personagens em poucas páginas, bem como a complexidade dos mesmos é sentida pelo leitor. A protagonista e conhecida por todos, Ripley, é uma das melhores personagens femininas, no filme e no livro. Adorei a escrita, sem rodeios, simples e crua. Mas também o autor possui um vocabulário diferenciado, como visto alguns clássicos (O Planeta dos Macacos, e outros). O filme é bem diferente do livro em alguns aspectos, principalmente em relação ao Alien, sua existência, sua aparência. Mas o livro não deixa a desejar, pelo contrário. Indico a leitura para quem está afim do gênero e de ler algo diferente! Particularmente achei muito bom.

Uma cena clássica do primeiro Alien nos cinemas. (1979)

A edição do livro é linda, relançada por uma editora que se preocupa em manter a beleza dos clássicos. Eu adoro os livros da Editora Aleph.

Sobre o filme: Alien: Covenant (2017).


Sinopse: 2104. Viajando pela galáxia, a nave colonizadora Covenant tem por objetivo chegar ao planeta Origae-6, bem distante da Terra. Um acidente cósmico antes de chegar ao seu destino faz com que Walter (Michael Fassbender), o androide a bordo da espaçonave, seja obrigado a despertar os 17 tripulantes da missão. Logo Oram (Billy Crudup) precisa assumir o posto de capitão, devido a um acidente ocorrido no momento em que todos são despertos. Em meio aos necessários consertos, eles descobrem que nas proximidades há um planeta desconhecido, que abrigaria as condições necessárias para abrigar vida humana. Oram e sua equipe decidem ir ao local para investigá-lo, considerando até mesmo a possibilidade de deixar de lado a viagem até Origae-6 e se estabelecer por lá. Só que, ao chegar, eles rapidamente descobrem que o planeta abriga seres mortais.

O filme nos apresenta uma sequência de Prometeus, e tenta trazer de volta a essência do Alien, apresentando novidades, o clássico Alien, um personagem sobrevivente, uma nova equipe e um novo planeta. Mas pecou em vários aspectos, mesmo estando nas mãos do mesmo diretor do clássico. Não sou crítica de cinema, então é apenas uma visão de fã e uma breve análise bem simples comparando a qualidade do clássico, do livro, dos outros filmes.

O Michael Fassbender cumpre e muito bem o seu papel, ele é um excelente ator. Também gostei do restante do elenco. Mas faltou muita coisa para salvar este filme. Pra mim, particularmente, prefiro menos tecnologia, menos efeitos, mas um roteiro incrível. E as falhas deste Alien não conseguem ser relevadas. Um exemplo disso é simples e sem spoiler nenhum: a equipe que deve conduzir uma colônia de seres humanos a um novo planeta e colonizá-lo, chega em um planeta desconhecido e nem sequer desce da nave com trajes adequados? Mesmo com análises de oxigênio e solo realizadas por um super computador,   isso é o básico de segurança biológica e seus riscos, e quem não é um grande sábio da ciência já sabe disso. Furo vergonhoso. E é apenas um deles.



Nesse sentido, do fraco roteiro, sem muitas justificativas disso ou do porquê daquilo, estragou a experiência de quem esperava um pouco em relação ao filme clássico. Os amantes do filme de 1979 não vão conseguir aceitar e engolir Covenant facilmente. Eu esperava mais, mas não fiquei surpresa com o fracasso. Em algumas franquias, deve-se manter apenas o que já fez grande sucesso e marcou gerações. Sem mais filmes, livros ou séries. Sempre há espaço para novas histórias, sem deixar de lado ou estragar uma franquia inteira para isso.

Nota do livro



11 comentários :

  1. Sempre tive vontade de assistir ao filme, pelo fato de já havia visto o trailer, porém alguém lendo sua resenha tanto da adaptação cinematográfica quanto do livro fiquei um pouco decepcionada. Pelo fato de que no filme eles não citam o porque de certas coisas acontecer, e ao meu ver isso e algo bem ruim, pois ficamos perdidos. Já o livro e bem construído, com personagens interessantes, e conteúdo bem especificado, o que me despertou interesse de leitura.

    ResponderExcluir
  2. Oi Caah ;)
    Nunca vi o original, mas sempre me interessei porque meu pai adorava kkk
    Adoro filmes e séries futuristas, com tema espacial.
    Vou ver se leio o livro antes de ver o filme.
    Obrigada pela dica ;)
    Bjos

    ResponderExcluir
  3. Oi Caah.
    Eu já tinha ouvido falar desse filme mas confesso que se ficção científica não é muito lá meu forte então confesso que nunca teve curiosidade para conhecer mas eu adorei esta premissa e confesso que você conseguiu despertar uma pontinha de curiosidade em mim eu não fazia ideia que esse livro se tratava de um clássico e apesar de tudo ele realmente parece interessante.
    Bjs.

    ResponderExcluir
  4. eu nunca li os livros do alien
    eu tb gosto muito da série antiga, ainda não assisti esse filme, mas prometeus já foi um desastre então acho que esse não consegue ser pior...
    e tb como vc eu não espero muito do roteiro desse filme. parece q eles não sabem equilibrar história com efeitos

    ResponderExcluir
  5. Oi.
    O filme original sempre me encantou, os efeitos e enredo. Mas esse, já não tenho grandes expectativas, mesmo assim pretendo assistir depois que sair do cinema. Mas gostaria de ler o livro primeiramente! Adoro esse tema!
    Parabéns pela resenha/crítica.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  6. Sempre tive vontade de assistir a esse filme! Gosto muito do tema Alien!
    Mas só quero ver se esse novo vai ser bom! Vou assistir!

    ResponderExcluir
  7. Oi Camila,
    Sempre gostei de assistir aos filmes de Alien na minha adolescência, mas confesso que não fiquei muito empolgada com este lançamento. Minha maior surpresa, no entanto, está no fato de que Alien: Covenant ser uma continuação de Prometheus (que não assisti). Apesar da trama apresentar elementos que me despertam interesse, ainda não tenho certeza se assistirei ao filme ou, neste caso, filmes. Em relação ao livro, minha reação é um pouco diferente, por se tratar da trama do filme que assisti e gosto muito acredito que a leitura será prazerosa além de me dar uma nova abordagem sobre o que já conheço da história.

    ResponderExcluir
  8. Oi, eu assisti aos filmes e amei só falta assistir o que lançaram esse ano, como não tem cinema na minha cidade vou ter que esperar um pouco. Ainda não li o livro, mas esta na minha lista sim.

    ResponderExcluir
  9. Camila!
    Triste ver que não há um enredo a ser seguido, mas acredito que apenas o medo e o suspense dos acontecimentos já são o sufuciente para assistir a película, já que assisti todos os outros.
    Bom final de semana!
    “A sabedoria dos homens é proporcional não à sua experiência mas à sua capacidade de adquirir experiência.” (George Bernard Shaw)
    Cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA DE MAIO 3 livros, 3 ganhadores, participem.
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  10. Que pena que o filme deixa a desejar, pois quero assistir, mas não no cinema, em casa mesmo, pelo menos tem novidades. Quanto ao livro não li, gostei de saber desse mistério e clima de suspense que tem, pois adoro os dois, não sabia que era tão diferente do filme.

    ResponderExcluir
  11. Oii Camila!
    O filme original eu já vi, mas não li o livro ainda não, tenho mta vontade...
    Agora a ansiedade pra ver o filme novo tá dmais...Qro mto assistir, espero não me decepcionar ...
    Bjs!

    ResponderExcluir

Obrigada por fazer quatro blogueiras felizes, seu comentário e sua opinião são muito importante pra nós! Todas as visitas e comentários serão retribuídos.

(Comentários contendo ofensas e palavras de baixo calão não serão aceitos).

Seguidores

No Instagram @bloglohs

Vem pro Facebook